Ignez Ferraz, arquitetura & design  
Loading
     
PERFIL
CONTATO
NA MÍDIA
ARTIGOS
DICAS
 
Portfólio
DESIGN - MÓVEIS
ARQUITETURA
INTERIORES
MOSTRAS
MÓVEIS
Apoio
arquitetura & construção
design & internet
 
 home » dicas » xiao, xiao mao - a nova pintura chinesa
Xiao, Xiao MAO - a nova pintura chinesa
Por Ignez Ferraz
Foi visitando o Palais de Tokyo em Paris (recomendado pela minha amiga antenadésima Marcia “Jardin”), que conheci as estranhas e impactantes pinturas do chinês ZHANG XIAOGANG, que também teve seu talento reconhecido na importante Saatchi Gallery em Londres (quase em frente à London Eye).



Zhang Xiaogang
“A big family”, 1995



Inspirado por fotos tradicionais de sua família do período da Revolução Cultural, assim como nas tradições do surrealismo, ele translada a linguagem fotográfica formal de estúdios para uma palheta de acinzentados, com apenas algumas manchas de cores inseridas. Remetem a pessoas comuns, em qualquer tempo.


Incorpora dentro da estética do desenho a carvão chinês de figuras chapadas, elementos exagerados encontrados na animação: cabeças grandes, narizes pontiagudos, dando uma identidade ao pintor, que intensifica a dimensão psicológica dos retratados, permitindo diversas narrativas.





Foi uma sensação claustrofóbica parecida com a que senti, ao me defrontar com a figura do Big Man, do escultor australiano Ron Mueck, também em Paris, no Grand Palais.
Ambos me remeteram à solidão, mas enquanto a escultura sugeria temor, as figuras de Xiaogang parecem apenas tristes e distantes.


Acredito que os anos de opressão de Mao tenham tido uma enorme influência. Na última exposição sobre a Arte Chinesa (principalmente realista) no CCBB, este mestre oriental esteve representado por um único quadro. Em compensação, meus olhos não se desgrudavam do olhar profundo e penetrante do soldado de LI DAFANG:



Li Dafang
Retrato n.3,2005



Lembrei-me imediatamente da Grande Muralha, que, apesar de imponente pela extensão, não consegue nos alegrar com sua ausência de cor. (Vejam foto em PEQUIM Modernidade)


Não que em Pequim não encontremos cores – os chineses são conhecidos pelos seus simbólicos vermelhos e amarelos (inclusive nas flores) – mas, naquele período, elas eram proibidas para a classe operária. (Leiam mais detalhes em PEQUIM Tradição)


Um dos quadros mais famosos de Xiaogang é o da Praça Tian’namen, mas ainda prefiro a interpretação de YIN ZHAOYANG:



Yin Zhaoyang
Praça Tian’namen, 2003

(Vejam foto da praça real em PEQUIM Ruptura)
 
Leia Também
 
 
Ignez Ferraz Perfil | Contato | Na mídia | Artigos | Dicas | Arquitetura | Interiores | Design-Móveis | Mostras.
  © 2003 Ignez Ferraz. Direitos reservados. Website by Felipe Memória